STF já tem maioria para criminalizar homofobia

Pela nossa santa Madonna, já somos maioria para concretizar a criminalização da homofobia.

A maioria dos ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) já votou a favor do parecer. Ao todo, seis de 11 ministros já votaram. Na ocasião também foi votado a igualdade da prática da homofobia ao crime de racismo.

As ações que pedem a criminalização da homofobia foram impetradas pelo antigo PPS (hoje Cidadania), pela ABGLT (Associação Brasileira de Gays, Lésbicas e Transgêneros) e pelo Grupo Gay da Bahia.

A decisão declara que o Congresso Nacional foi omisso ao não legislar sobre a criminalidade da homofobia.

Palarmentares da bancada evangélica e entidades religiosas são contra a votação no STF. (Nada de novo sob o sol).

Os ministros que já votaram a favor da criminalização da homofobia foram: Celso de Mello, Luis Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Alexandre de Moraes, Rosa Weber e Luiz Fux.

Fux se disse a favor da equiparação da homofobia à prática de racismo. “Quem escolhe a sua agenda humana é o ser humano dentro da sua ótica de dependência e deve assim ser obedecido […]. Racismo se dá contra seres humanos, qualquer que seja sua fé e sua orientação sexual”, disse o ministro.

Depois do Holocausto, jamais se imaginou que um ser humano poderia ser alvo dessa discriminação e violência.

Luiz Fux, ministro do STF, em seu voto

Anúncios

Dédalos Bar é inaugurado em SP com promessa de inovação e inclusão

Você já imaginou um lugar em que pode curtir uma música incrível, se divertir em um bar inovador, aliviar o estresse com uma boa pegação e ainda ajudar o meio ambiente e a comunidade LGBT?

Pois é, agora isso é possível em São Paulo. Isso porque inaugurou no dia 18 (quinta) o Dédalos, um local para fazer tudo isso e ainda poder aproveitar a noite com jogos de videogame.

O bar está localizado em um dos endereços mais fervidos de São Paulo, no Largo do Arouche, próximo às estações República e Santa Cecília.

Nós estivemos lá e podemos colocar tudo para vocês.

Os frequentadores poderão desfrutar de 220 metros dividos entre bar e área de fumantes no piso inferior e mais de 20 cabines no segundo andar.

Com muita inovação, o estabelecimento promete mesclar jogos, drinks afrodisíacos, boa música e muita pegação. O nome é inspirado no personagem da mitologia grega, cujo a obra mais famosa é o labirinto que aprisiona Minotauro.

O diferencial do local fica por conta das glory ass, novidade no Brasil. Além disso, serão quatro cabines tântricas com poltrona importada, projetada para posições da Kama Sutra, e uma cabine de projeção utilizando óculos virtual. Também tem uma sugestiva cama coletiva e uma misterioso dark Room.

Nando Dias, responsável pelo projeto, já foi gerente geral da Chilli Pepper por 12 anos. Todo o projeto foi desenhado pelo arquiteto mineiro Fred Mafra, também responsável pelo projeto inicial da sauna.

No bar são servidos drinks afrodisíacos e exclusivos, criados pelo sommelier Lucas Rodascoski, que aliás, experimentamos e está um melhor que o outro. Futuramente, o espaço terá ainda fliperamas com mais de 3mil games.

INCLUSÃO

O terá duas transsexuais em seu quadro de funcionários. Já a partir do segundo semestre de 2019, toda primeira segunda-feira do mês, o valor arrecadado com entradas serão doados a uma ONG LGBT.

O bar foi todo projetado para a implantação de ideias sustentáveis desde a utilização da água até o descarte do lixo. “Minha ideia é passar conscientização, fazer com que as pessoas se divirtam em um local que se importa com os descartáveis, com a água e a energia. Além disso, nossas ações serão todas pensadas para promover o bem-estar dos clientes e colaboradores”, diz Nando.

Eai, manax, partiu se jogar nesse mundo? ❤️😈

Serviço:

Dédados Bar

Inauguração (em soft opening): 18 de abril de 2018 (quarta)

20h

Entrada: R$ 15 (Valor promocional apenas no primeiro mês)

Rua Bento Freitas, 38, República (próximo ao Largo do Arouche)

“50 anos de Stonewall” é o tema da Parada LGBT de São Paulo de 2019

Tema relembra a Rebelião de Stonewall, marco de luta e visibilidade da comunidade LGBTI+
Como todos sabem, todos os anos a APOGBLT SP, ONG responsável pela maior Parada LGBT do mundo, se reúne com outras ONGs LGBTs, coletivos e militantes independentes diversas vezes para analisar, discutir e definir o tema, slogan e a justificativa da próxima Parada.

No dia 22/11/2018 o tema da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo foi definido em comum acordo: “50 anos de Stonewall” e o slogan \”Nossas conquistas, nosso orgulho de ser LGBT+\”

A escolha deste tema se deu porque, em 28 de Junho de 1969, a Rebelião de Stonewall foi um marco importante na luta pelos direitos e visibilidade da comunidade LGBTI+ no mundo. E que em 2019 fará 50 anos de existência. Aniversário importante para que toda a comunidade LGBTI+ se lembre que toda a visibilidade que temos hoje veio dessa força de enfrentamento, resistência, visibilidade e luta por direitos e respeito.

Para ler a justificativa completa, visite http://paradasp.org.br/justificativa2019
A 23ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo será realizada no dia 23 de Junho de 2019, com concentração na Av. Paulista a partir das 10h e saída programada para as 13h30. Mais informações, detalhes sobre convidados, patrocinadores, etc serão informados até a data do evento por meio do portal http://www.paradasp.org.br e redes sociais.
Evento oficial da 23ª Parada do Orgulho LGBT de SP no Facebook:
http://www.facebook.com/events/173728056649116
Compartilhem.
SERVIÇO:

23ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo
Data: 23 de Junho de 2019
Tema: 50 anos de Stonewall Slogan \”Nossas conquistas, nosso orgulho de ser LGBT+\”

Portal e redes sociais: http://paradasp.org.br

Evento oficial da 23ª Parada do Orgulho LGBT de SP no Facebook:
http://www.facebook.com/events/173728056649116/

Projeto prevê primeiro centro de acolhimento para LGBT+ que são expulsos de casa

Um projeto pioneiro pode se tornar um marco na história da luta LGBT. Organizado pelo Conselho de Cultura (Concult) da Prefeitura Municipal de Santos, litoral de São Paulo, o projeto visa instalação do primeiro centro de acolhimento à pessoas LGBT+ que foram vítimas de violência ou expulsas de casa.

A iniciativa a está em andamento, mas a ideia é fazer uma espécie de vila com aluguel social para artistas e consta também como meta do Plano Municipal de Cultura, sancionado em 2017. O objetivo é que os atendidos ofereçam contrapartida social e artística para a cidade.

De acordo com o conselheiro Júnior Brassalotti, o Concult mapeou as casas de posse da Administração que poderiam servir a esse fim. O prédio do Ambesp – que atualmente pertence à Secretaria da Saúde, foi um dos elencados. “Ainda não conseguimos conversar pessoalmente com o secretário, mas vamos retomar esse assunto, juntando a pasta da Cultura e da Assistência Social para ver como conseguimos tocar esse projeto que é embrionário mas está avançado no ponto de vontade política”, conta em entrevista ao jornal Diário do Litoral.

Completamente desgastado e carente de uma reforma estrutural e elétrica, o edifício fica na Rua Gonçalves Dias, 8, no Centro. O imóvel de sete andares e uma área de 2.800 m² pertencia ao Governo Federal e foi cedido ao Município em outubro de 2013. A validade é de dez anos, prorrogáveis por iguais e sucessivos períodos.

“É um espaço imenso e que, atualmente, está ocioso. Em um espaço como aquele, seríamos capazes de receber não só um centro de acolhimento para pessoas LGBT+, como também para artistas em trânsito na cidade, um hotel solidário. Não daria só um abrigo à essa população como também levaria vida ao Centro da cidade”, afirma o presidente.

Uma das inspirações para a iniciativa é a Casa 1, uma república de acolhimento e centro cultural destinado à pessoas LGBT+ instalado em São Paulo. Brassalotti afirma que a instalação da Capital é um projeto de sucesso, que funciona com a colaboração entre as autoridades e a sociedade civil. “Apesar de precisar de doações, a Casa 1 é um projeto que foi implementado e funciona bem. Há exemplos de sucesso também em Nova York e em Berlim. Precisamos urgentemente de um espaço como esse na nossa cidade, que também atenderá pessoas de outras cidades da região”.

“O que mais precisamos em Santos é que haja compreensão da população em relação à necessidade desse projeto. Parte da sociedade acha que não é preciso pois não enxerga a necessidade dessas pessoas que estão em situação em risco. Existe um preconceito social que precisa ser derrubado para que possamos avançar”.

Em nota, a Prefeitura Municipal de Santos informou que foram iniciadas conversas para que seja realizado mapeamento de possíveis imóveis que tenham condições de receber o abrigo para os artistas. Após esta fase, ainda será necessária a elaboração de um projeto que atenda tal finalidade.

FONTE : PÕENARODA

Festa dedicada a música Latina será no próximo dia 6 de Abril

No sábado (6) acontece a maior festa latina de São Paulo, a “Calientes” . Um evento dedicado à música latina. Haverá muitas músicas como Anitta, Pabllo Vittar, Thalia, Shakira, Backy G, Natti Natasha, Wanessa entre outras.

Além da música latin pop, reggaeton, o local desta vez vai contar com Gogo Boys e Gogo Girls, drinks afrodisíacos, cantinho escurinho do amor , apresentação de grupo de dança e sorteio de brindes.

O diferencial da festa é o app IT’s My Party. Com ele você escolhe a música que o dj irá toca na festa. Incrível, não é?!

😉

Então garanta seu ingresso e vem curtir de RBD a Pabllo Vittar! 

Na pick-up, Nando Scofield ditam o som do evento e tocando as mais pedidas, junto com seus convidados Dj Ricky Mendes, Dj internacional Chpop e muito mais. Que ahazo!

Saiba mais aqui.

Serviços:

06/04 às 23h

Clube Hotel Cambridge
Rua João Adolfo, 126 – Centro, SP (próximo ao metrô Anhagabaú)

5 motivos para criminalizar a homofobia

Hoje, 13 de fevereiro, é iniciado uma discussão importante para toda comunidade LGBT do Brasil. É que os 11 ministros do STF (Supreme tribunal Federal) começam as discussões para criminalização da homofobia.

Mas o que isso significa? Significa que, caso decidido, atos como agressões, ofensas e assassinatos contra integrantes da comunidade LGBT devem ser tratadas por meio de uma legislação específica.

Por isso listamos 5 motivos pelo qual é importante a criminalização da HOMOFOBIA.

1- O Brasil é o país que mais mata LGBT no mundo: Entre janeiro de 2008 e abril de 2013, foram 413 mortes – quatro vezes mais do que no México, que é o segundo colocado nesse ranking.

2- Suicídios na comunidade LGBT é 4 vezes maior que entre heterosexuais: este número é ainda maior quando contabilizado as tentativas.

3- Uma em cada seis pessoas LGBTs já já sofreu algum tipo de crime homofobico nos últimos três anos.

4- Entre a população trans, 38% dizem já ter sofrido ameaças e agressões físicas.

5- A cada dois dias morre um transgênero assassinado no mundo por conta de sua condição, segundo pesquisa realizada em 62 países.

Existem outros milhares de motivos para tornar a crime atos contra a comunidade LGBT, mas listamos estes mais importantes para saber a dimensão disso.

Agora só nos resta cobrar o STF com um parecer favorável, permitindo q vivamos sem medo de ser livre.